Home»Destaque»Em 2018, crianças com diabetes receberão insulinas com aplicação mais fácil

Em 2018, crianças com diabetes receberão insulinas com aplicação mais fácil

Atualizada em: 12/10/2017 13:13

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Por Wanessa Sobreira

A dona Antônia da Silva Soares, tem diabetes o que requer um acompanhamento médico periódico. Eu preciso ter essa preocupação diariamente e não fico sem meu remédio”, conta a dona-de-casa.

Se é difícil para um adulto imagina para uma criança conviver com a diabetes. No entanto, para um ter um efeito mais rápido no tratamento o governo federal anunciou um tipo de insulina mais moderno.

As unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), a partir do ano que vem, distribuirão doses de insulina análoga, um medicamento mais moderno e de efeito mais rápido, a 100 mil crianças com diabetes mellitus do tipo 1.  A substância será armazenada em uma embalagem em formato de caneta, o que deverá facilitar o manuseio durante a aplicação, o reúso do recipiente e seu transporte. 

Em um primeiro ciclo, o medicamento será fornecido a crianças e jovens entre 10 e 14 anos, faixa etária em que a doença se manifesta de maneira mais intensa e necessita de uma resposta corpórea mais imediata. Se não tratada, a diabetes mellitus do tipo 1 pode causar danos irreversíveis ao sistema neurológico e dificuldade de aprendizagem.

Os pacientes poderão obter o medicamento em postos de saúde e unidades da Farmácia Popular. Será um grande conforto para essas crianças e uma segurança, à medida que elas tenham a condição de se adaptar melhor”, disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Como irá funcionar

A ação no organismo leva apenas de 10 a 15 minutos, muito menos que os outros dois tipos, que agem a partir de 30 minutos, no caso da regular, e de uma a três horas, quando usada a NPH.

O governo investiu R$ 135 milhões na compra de 8 milhões de unidades do novo insumo. A próxima etapa, ainda sem data definida, é estender a distribuição da insulina análoga a adultos.

Segundo o ministério, a insulina análoga apresenta diversas vantagens em relação às versões mais comumente utilizadas. Ao contrário da insulina regular (que tem estrutura idêntica à insulina humana) e da NPH (mistura de protamina e zinco), que devem ser aplicadas entre 30 e 45 minutos antes do início das refeições e ao dormir, a insulina análoga deve ser injetada imediatamente antes das refeições, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

O grupo com prioridade na fila da distribuição corresponde a 1% do total de crianças brasileiras com a doença, que é de 1 milhão. De acordo com a SBD, a cada ano, no mundo, 440 mil crianças desenvolvem o diabetes. Hoje, de acordo com a Vigitel 2016, uma sondagem que acompanha doenças crônicas no país, o diabetes cresceu 8,9% entre a população adulta.

Post Anterior

Lar Batista realiza tarde de programação para crianças

Próximo Post

Tocantinenses devem ficar atentos às mudanças do horário de verão