0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 29/04/2022 17:09

Além de ter sido condenado pelo STF a 8 anos e 9 meses de prisão por ataques à democracia, o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) é acusado pelo Ministério Público Federal de desviar recursos da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar – o chamado cotão da Câmara – por meio de um advogado fantasma.

A suspeita do Ministério Público Federal é que Silveira tenha usado o sistema de ressarcimento da Câmara para custear, de forma fraudulenta, um esquema de rachadinha em seu gabinete. O caso foi revelado por O Globo .

Entretanto, conforme o MPF, “os serviços foram realizados, na verdade, pela própria Consultoria Legislava da Câmara dos Deputados”. Ou seja, Silveira teria usado dinheiro da Câmara para pagar por serviços que não foram executados.

Assim, o MPF ingressou com uma ação civil pública para pedir o ressarcimento de R$ 660 mil aos cofres públicos, que seriam referentes aos serviços custeados pelo Cotão parlamentar.

A ação foi impetrada em julho do ano passado e tramita na 2ª Vara Federal de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Nesse momento, o caso está sob análise das manifestações tanto do MPF quanto da defesa do parlamentar para manifestação do juiz João Paulo de Mello Castelo Branco.

Post Anterior

Em Palmas os bairros Bertaville e Irmã Dulce recebem mutirão de limpeza neste sábado, 30

Próximo Post

Campanha de Bolsonaro acredita que presidente chegará a ‘empate técnico’ até julho