0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 17/03/2022 12:57

O Brasil perdeu em março a posição de país com os maiores juros reais do mundo, apesar da alta anunciada na quarta-feira (16), que levou a taxa Selic para 11,75%. O motivo foi a guerra na Ucrânia, com uma série de sanções que levou a Rússia a realizar uma forte alta de juros, ultrapassando o Brasil.

As informações são de um levantamento da Infinity Asset, que aponta que os juros reais brasileiros – obtidos a partir da subtração da taxa de juros pela projeção de inflação para os próximos 12 meses – estão na segunda posição do ranking.

Segundo o levantamento, os juros reais considerando a projeção do relatório Focus de inflação de 5,69% nos próximos 12 meses seriam de 7,10%, atrás apenas da Rússia, com 30,07%.

Considerando os juros nominais, ou seja, a taxa em si, o Brasil está na quarta posição, atrás da Turquia (14%), Rússia (20%) e Argentina (42,50%).

Em fevereiro, o Brasil liderou o ranking dos juros reais, com 6,26%, seguido pela Rússia, com 4,67%. No levantamento de juros nominais, o país ficou em terceiro lugar, atrás da Turquia e Argentina.

A mudança de juros na Rússia ocorreu em 28 de fevereiro, quando o banco central do país subiu a taxa de 9% para 20% ao ano. O objetivo era “apoiar a estabilidade financeira e de preços e proteger as economias dos cidadãos da depreciação”.

O rublo, moeda do país, chegou a cair 30% após uma série de sanções de países ocidentais contra a Rússia, e a alta nos juros é uma tentativa de reter investimentos estrangeiros e permitir alguma recuperação cambial.

No levantamento, a Infinity Asset afirma que “continua a pressão da inflação global, a qual se acelerou na maioria das medidas, dadas as ainda contínuas pressões e choques de oferta ao atacado e aceleração de demanda, em vista ao processo de reabertura de diversas localidades, convertendo a maioria das taxas [de juros real] em terreno negativo”.

Nesse sentido, a média geral de juros reais entre os 40 países do levantamento foi de -0,94%, indicando que, em muitos deles, a projeção de inflação é maior que os juros atuais. Os menores juros reais são os da Argentina, com -15,20%.

Já entre os juros nominais, a menor taxa é a da Suíça, com -0,75%, seguida por Dinamarca (-0,60%) e Japão (-0,10%). A média geral das taxas nominais é de 3,55%.

Em fevereiro, a média dos juros reais foi de -1,41%, enquanto que a dos juros reais foi de 3,05%, indicando a continuidade do processo de aperto monetário global para combater a inflação.

“Ainda que se preservem parte dos programas de alívio quantitativo, o movimento global de políticas de aperto monetário continuou a ganhar força, com o aumento expressivo no número de BCs sinalizando preocupação com a inflação, em especial devido à guerra”, avalia.

Post Anterior

Com investimentos de mais de R$ 2,6 milhões, governador Wanderlei Barbosa entrega obras de reforma de três escolas estaduais no Jalapão

Próximo Post

Governador participa do lançamento de campanha para ajudar pequenos empreendedores atingidos pelas enchentes no Bico do Papagaio