0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 29/11/2021 15:48

Com o início do período de chuvas e o grande volume de água que o Tocantins tem recebido  nos últimos dois meses,  acendeu o alerta das equipes de Saúde para o aumento de casos das doenças relacionadas às Arboviroses, que são causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da dengue, Zika e Chikungunya.

Diante desta situação a Secretaria de Estado da Saúde (SES-TO), por meio da Gerência de Vigilância das Arboviroses, lançou na manhã, de segunda-feira, 29, em “live”, pelas redes sociais da Pasta a “Campanha Estadual de Prevenção e Controle das Arboviroses” e deu início a “Semana Estadual de Prevenção e Controle das Arboviroses” com ações simultâneas a ser realizadas no período de 29 de novembro a 03 de dezembro, sendo este último dia o “Dia ‘D’ de mobilização”.

A Campanha em âmbito estadual pretende chamar a atenção dos gestores municipais, coordenadores e agentes de endemias, agentes de saúde, instituições públicas e privadas e população em geral sobre a importância do controle vetorial do mosquito Aedes aegypti, transmissor das Arboviroses. A Semana pretende realizar ações de prevenção e controle integradas e simultâneas em todos os municípios tocantinenses.  

A campanha irá trabalhar peças publicitárias “online” pelas redes sociais para maior alcance da população e incentivar o trabalho de prevenção, enfatizando no tema “Com ações simples podemos combater o Aedes aegypti”. Outra vertente da campanha será a divulgação dos principais sintomas da doença, com recomendações para que a população, em caso de adoecimento, recorra, oportunamente, aos serviços da Atenção Básica, com vistas a evitar o agravamento dessas doenças.

A bióloga em Saúde da SES-TO, Renata Braga exemplificou durante a live que 10 minutos de vistorias nas residências, comércios, indústrias e prédios públicos e privados trazem benefícios enormes com a eliminação dos criadouros e controle vetorial.

Perciliana Bezerra, superintendente de Vigilância em Saúde (SVS) da SES-TO, conclamou todos os gestores municipais e suas equipes para uma grande mobilização estadual com o objetivo de sensibilizar a população quanto ao problema. “Ainda estamos travando uma batalha com o vírus da Covid-19, e já nos deparamos com um aumento significativo das doenças relacionadas aos arbovírus. Não podemos deixar que doenças como a dengue, Zika e chikungunya, totalmente evitáveis, provoquem um novo caos nas nossas unidades hospitalares. Está em nossas mãos, pois 80% dos criadouros estão dentro das residências; a população deve ser diretamente envolvida, além do engajamento de todas as esferas de governo para controlar este mosquito visando à prevenção de doenças”, reforçou.

A live contou com a participação do Tenente Coronel do Corpo de Bombeiros, Cleber José Borges Sobrinho, instituição parceira que compõe a Sala Estadual de Combate ao Aedes, que reforçou o compromisso social da instituição para realização de ações conjuntas e em suas unidades espalhadas pelo Estado.

“Esta iniciativa é grandiosa, muitas vezes a população, que tem um mal estar provocado por essas arboviroses, e não procuram uma Unidade de Saúde, tende a buscar ajuda ao Corpo de Bombeiros, por isso precisamos trabalhar as medidas preventivas para evitar o adoecimento da população”, alertou.

Dados

Em 2021, até o momento, 20 municípios confirmaram casos de Chikungunya, com registro de 129 casos confirmados este ano, aumento de 486% com relação ao mesmo período de 2020 com 22 casos confirmados.

Já com relação a Dengue o Tocantins registrou 3.290 casos confirmados, aumento de 98,7% contra os 1.656 casos registrados em 2020, com três óbitos confirmados nas cidades de Gurupi, Palmas e Rio dos Bois e três óbitos em investigação em Ponte Alta do Bom Jesus e Palmas.

Os casos de Zika foram registrados em 11 municípios, com aumento de 550% nos casos confirmados, sendo 2021 com 52 registros e 2020 com oito casos confirmados.

  

Post Anterior

Kátia Abreu recebeu apoio de Bolsonaro para assumir cadeira no TCU

Próximo Post

PPA 2022-2025: população elege como prioridade ampliações das consultas médicas e dos exames especializados