0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 12/03/2022 15:05

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a criticar a política de preços da Petrobras neste sábado (12.mar.2022) e disse que “qualquer um pode ser trocado no governo”. Também disse, contudo, que não pretende interferir no mercado.

“Eu tenho uma política de não interferir, sabendo das obrigações legais da Petrobras. Mas, para mim, particularmente falando, é um lucro absurdo que a Petrobras tem em um momento atípico do mundo”, falou Bolsonaro, neste sábado (12.mar). Ele seguiu: “Não estou satisfeito com o reajuste, mas não vou interferir no mercado”.

Ele disse que, como acionista majoritário da Petrobras, dá “palpites e sugestões, quando se faz necessário”, diretamente ao presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna. Contudo, disse que, “isso não é interferência, sugestões apenas”. Afirmou, então, que “o brasileiro tem que entender que quem decide esse preço não é o presidente da República, é a Petrobras, com seus diretores e seu conselho”.

Reajuste

A Petrobras anunciou na 5ª feira (10.mar.2022) um reajuste nos preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha. No mesmo dia, o Congresso aprovou um projeto de lei que corta os tributos dos combustíveis. Bolsonaro sancionou o projeto na 6ª (11.mar.2022) e espera que a medida reduza o impacto do reajuste no diesel.

Bolsonaro disse que “ninguém entende” a política de preços da Petrobras, que segue a paridade internacional de preços. Ele falou que “esse atrelamento é bom para o mercado e para os acionistas, mas é péssimo para o consumidor brasileiro”. “Não pode a Petrobras trabalhar exclusivamente visando o lucro num mundo em crise, com os preços dos combustíveis bastante alto aqui no Brasil”, afirmou.

O chefe do Executivo disse, no entanto, que, para mudar isso, a Petrobras precisa apresentar uma proposta de alteração. Falou ainda que não pode decidir “coisas sensíveis” como essa sem ouvir as “pessoas adequadas”.

Bolsonaro ainda descartou a possibilidade de mudar os preços dos combustíveis por uma “canetada”. Disse que isso causaria um “caos na economia”. “Não adianta reduzir na canetada R$ 1 do preço do combustível se o dólar vai para R$ 7”, falou.

Troca de comando

O presidente da República não descartou, no entanto, a possibilidade de trocar o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna. O governo indicou o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, para o comando do Conselho de Administração da Petrobras.

Qualquer um pode ser trocado no meu governo. Menos eu, logicamente, e o vice-presidente da República, que tem um mandato”, afirmou.

Post Anterior

PL marca lançamento de pré-candidatura de Bolsonaro para o dia 26 de março

Próximo Post

Especialista defende revisão da Lei do Impeachment: “Fizeram um grande recorta e cola”