0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 01/08/2022 08:48

As medidas eleitorais adotadas pelo governo Bolsonaro e pelo Congresso neste ano vão tirar R$ 178,2 bilhões do caixa do Planalto em 2023, informa o Estadão. O valor sobe para R$ 281,4 bilhões com a redução do caixa dos governadores e dos prefeitos devido à desoneração permanente do ICMS dos combustíveis, energia, transporte e comunicações e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Se houve reajuste no salário dos servidores federais, o montante pode chegar a R$ 306,4 bilhões, de acordo com o jornal. A lista inclui um custo adicional de pelo menos R$ 60 bilhões para financiar em 2023 a permanência do piso de R$ 600 do benefício do Auxílio Brasil, medida que já foi antecipada por Lula e Bolsonaro, que lideram as pesquisas de intenção de voto.

Também está na lista um gasto de R$ 25 bilhões, a partir de março de 2023, para o reajuste do salário dos servidores públicos de 10%, um porcentual de correção que não repõe nem metade da inflação acumulada de 25% prevista para o período de 2020 a 2022. O reajuste salarial do funcionalismo é dado como certo depois do congelamento dos salários neste ano e de Bolsonaro (foto) recuar da promessa envolvendo uma correção de 5%.

Sobre os impactos do corte do IPI, dos R$ 27,4 bilhões de redução de receitas do imposto em 2023, R$ 11,2 bilhões seriam da União e o restante, R$ 16,2 bilhões, dos estados e municípios. A conta não inclui os efeitos causados por medidas que estimulam o consumo e o crédito, como a liberação do FGTS, o financiamento às micro e pequenas empresas e o lançamento do empréstimo consignado aos beneficiários do Auxílio Brasil.

Post Anterior

Mercado reduz estimativa de inflação para 7,15%

Próximo Post

STJ devolve comando do PROS a Eurípedes Jr

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.