0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 10/03/2020 17:30

O Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) vai prorrogar por um ano a suspensão da pesca no trecho do Rio Caiapó, da ponte localizada na TO-442, divisa entre os municípios de Araguacema e Caseara, até a foz do Rio Caiapó, afluente do Rio Araguaia. 

A portaria n° 124 do Instituto, que proibiu a pesca no trecho nos últimos três anos, vence no próximo dia 04 de abril. O objetivo da proibição é garantir o repovoamento de peixes na região, uma vez que o local é considerado um importante berçário para várias espécies.

A decisão de manter a suspensão da pesca foi tomada na ultima sexta-feira, 06, após apresentação dos dados de produção da pesca referentes ao ano de 2019, feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), durante reunião dos parceiros do projeto Propesca, em Araguacema. A apresentação mostrou dados de produção mensal de peixes, espécies capturadas e a renda que a pesca gerou nos municípios da região no ano passado.

O presidente do Naturatins, Sebastião Albuquerque, informou que o órgão vai prorrogar por mais um ano a suspensão da pesca naquele trecho do Rio Caiapó. Quanto ao pedido de liberação da pesca esportiva, Albuquerque compreende que a atividade pode ser uma alternativa interessante, que protege os peixes e ao mesmo tempo gera renda para os pescadores.

O gestor disse também que não vê impedimento aparente, desde que a atividade seja feita com o acompanhamento de guias devidamente licenciados pelo órgão ambiental. “Entretanto, a decisão final sobre a questão deverá ser tomada após análise de informações técnicas, que embasaram a nova portaria”, contemporiza.

A portaria do Acordo de Pesca visa garantir o aumento da população das espécies locais, e a sobrevivência de famílias de pescadores que têm nesta atividade o único meio de adquirir renda. Como o objetivo principal é construir estratégias e alternativas para solucionar a escassez do pescado na região que compreende as colônias de pescadores artesanais do referido trecho do Rio Caipó, o presidente pretende reunir a equipe técnica do Instituto e avaliar a possibilidade da regular a pesca esportiva no trecho em questão. (Informações Naturatins)

Post Anterior

Se a indústria vai mal o brasil não cresce - por Paulo Morceiro

Próximo Post

Estados e municípios podem integrar sistemas de compras locais à União