0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 14/06/2019 16:23

Moradores da quadra 1.306 Sul em Palmas denunciaram à Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) que estariam sofrendo reintegração de posse nesta sexta-feira, 14. Diante do ocorrido, uma equipe do Núcleo Aplicado de Defesa das Minorias e Ações Coletivas (Nuamac), de Palmas, e seu coordenador, o defensor público Maciel Araújo Silva, estiveram na quadra para apurar as denúncias. No local, já estava presente toda a estrutura para a reintegração com trator, caminhões, equipes da Guarda Metropolitana e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano em uma área na entrada da quadra onde está construída uma igreja evangélica.

O defensor público conversou com os fiéis da igreja, que alegaram que a igreja funciona no local há mais de um ano. Em conversa com a equipe da Guarda e da Prefeitura de Palmas, o defensor público lembrou sobre a importância do cumprimento de protocolo de reintegrações de posse, que exige que não haja força policial ou violência, da necessidade de se haver ordem judicial ou procedimento administrativo, além de se notificar os moradores ou responsáveis antes do cumprimento da reintegração.  

No momento em que a Defensoria Pública ainda estava presente no local, a equipe da Prefeitura de Palmas informou que a reintegração na área da igreja estaria suspensa, notificando os responsáveis para deixarem a área no prazo de até oito dias. A equipe informou, ainda, que não estava prevista outras ordens de serviço para reintegração de posse na quadra.

Porém, pouco tempo após a equipe da DPE-TO deixar o local, uma nova denúncia foi feita de que outras casas e comércios da quadra teriam sido demolidos. Os tratores, equipe da Guarda Metropolitana e caminhões teriam se deslocado da área da igreja para a parte interna da quadra e cumprido as demolições.

 Diante disso, o Nuamac Palmas aguarda notificação oficial dos moradores sobre a possível reintegração para avaliar o critério de hipossuficiência e, caso necessário, tomar as devidas providências.

Fonte: Ascom/DPE-TO

Post Anterior

Denuncias oferecidas pelo ministério público resultam na prisão de agente de polícia civil

Próximo Post

Pecuaristas do Tocantins e Goiás já abateram 20 mil cabeças avaliadas no PEC

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *