0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 28/06/2019 14:52

Em momento histórico, aguardado há 20 anos, o Mercosul e a União Europeia fecharam nesta sexta-feira (28), em Bruxelas, o acordo comercial entre os dois blocos. Nos últimos dois dias, os ministros intensificaram as negociações.

Pelo lado brasileiro, estão a ministra da Agricultura, Tereza Cristina; o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; e o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo.

Semana de negociações

Desde quarta-feira (26), Tereza Cristina participou de reuniões com autoridades da Comissão Europeia. A primeira foi com o comissário Vytenis Andriukaitis, responsável pela Direção-Geral de Saúde e Segurança dos Alimentos, quando foram tratados temas bilaterais. A ministra destacou que o Ministério da Agricultura avançou muito na governança e transparência dos processos de controle sanitário, além de ressaltar que o Brasil exporta alimentos de qualidade para 160 países, inclusive os da União Europeia. Foram na ocasião atualizadas as conversas sobre a pauta de exportações.

Pelo Twitter, Andriukaitis mencionou o encontro e disse ser importante a continuação do diálogo sobre segurança dos alimentos.

Em outro encontro, a ministra esteve com o comissário europeu para a Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, e repassou as propostas comerciais que estão na mesa de negociação para o acordo.

Histórico

Desde 1999, os integrantes do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e os 28 países da União Europeia iniciaram negociação para um acordo de livre comércio, que poderá ter mais de 770 milhões de consumidores e PIB estimado de 18 bilhões de euros. As conversas foram interrompidas em 2004 e retomadas em 2010.

Em 2018, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) entre Mercosul e União Europeia resultou em US$ 94 bilhões, conforme estatísticas internacionais de comércio. O bloco europeu é o segundo maior parceiro comercial do bloco sul-americano, ficando atrás apenas da China (US$ 120 bilhões, corrente comercial com o Mercosul no mesmo ano).

Os sul-americanos vendem, principalmente, produtos agropecuários. Já os europeus exportam produtos industriais, como autopeças, veículos e farmacêuticos.

No ano passado, as exportações agrícolas brasileiras para a União Europeia chegaram a US$ 13,6 bilhões. O farelo de soja lidera a lista (US$ 3,4 bilhões). As importações do Brasil resultaram em US$ 2,2 bilhões, principalmente de azeite (US$ 362,5 milhões) e vinhos (US$ 156,6 milhões) do bloco europeu.

Mais informações à imprensa:
[email protected]

foto: Oleksandr Gontar

Post Anterior

Com classificação 3 C Aeroporto de Araguaína está habilitado para quase todos os aviões que operam no Brasil

Próximo Post

Rodovias de acesso às praias do Tocantins recebem serviços de manutenção