0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 23/01/2020 14:34

Solos naturalmente mais equilibrados são mais produtivos. Dante do aumento da demanda mundial por alimentos uma das saídas para a maior produção de comida, sem abrir novas fronteiras agrícolas, esta no reequilíbrio biológico e mineral dos solos. Para o ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli, aí esta a receita para o segundo grande salto da agricultura tropical.

O primeiro, segundo ele, se deu com o começo da produção agrícola no Cerrado mineiro e, depois, brasileiro. Na década de 1970, era necessário ¨uma revolução¨. ¨Tínhamos que ter programa para dar ao produtor condições de produzir no bioma Cerrado. Naquela época, importávamos quase tudo – 100% de trigo, 50% de leite, 30% de carne – e, se  não nos movimentássemos, o Brasil iria quebrar. As contas não fechavam. E deu certo¨.

O solo do Cerrado era ácido e muito degradado. A pesquisa possibilitou a correção e o desenvolvimento de plantas e sementes para a região. Agora, o processo para o segundo salto da agricultura também passa pela pesquisas e pela mineralização ( uso de rochas – fonte natural de minerais na melhoria do solo ).

Novidade          

O pesquisador da Embrapa Cerrado Eder de Souza Martins explica que a rochagem começou a ser utilizada com a revolução verde, há quase 50 anos. Mas o usual é aplicar rocha fosfática moída e calcário, para correção do solo. ¨Agora, a novidade é o uso de rochas formadas com minerais com mais de 50% de silicatos – são as mais comuns do planeta e a maior parte dos solos agricultáveis do mundo é derivada de rochas silicáticas¨. Como os solos são muito antigos, eles perdem os minerais primários .

Mais Sílica

Os remineralizadores  mais utilizados são aqueles com teor de potássio e sílica, livres de minerais pesados. Segundo Eder Martins, pesquisa da Embrapa e da Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais ( CPRM ) constataram que cerca de 2,5% do país há a possibilidade de ocorrência desses remineralizadores novos. E cerca de 90% das áreas agrícolas estão a 150 quilometros das jazidas. Em Minas Gerais, Paraná e Goiás, 18 remineralizadores estão registrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ( MAPA . ¨E há uma longa lista de espera aguardando) registro¨.

Sustentável         

¨A agricultura tem que ser sustentável. E os solos devem voltar a ter o equilíbrio com a remineralização ou rochagem¨, afirma Alysson Paolinelli. Assim, podem ser mais produtivos e menos dependentes de fertilizantes químicos. ¨O agricultor sustentável usa o recurso natural, tira o que precisa dele, mas sabe repor¨.

Eder Martins diz que o solo seja saudável outros aspectos precisam ser considerados: boa atividade biológica e boas características físicas ( permeabilidade de ar e água, para raiz aproveitar melhor os nutrientes ). ¨O equilíbrio deve ser completo¨.

Técnica    

Cada solo tem sua característica específica. Por isso, para se fazer remineralização e aplicar os minerais adequados para o equilíbrio, o primeiro passo é contar com a ajuda de um engenheiro agrônomo.

As rochas da região e da propriedade podem conter os nutrientes desejados. E, segundo, Paolinelli, moer a rocha e jogar para ter um meneralizador do solo pode ser barato e eficiente. Mas tudo depende da analise e do que a biologia do solo precisa naquele momento. Caso contrário, pode dar errado. Paralelamente, ele lembra da necessidade de outros agentes biológicos. Em biofábricas, é possível desenvolver bactérias e fungos que, juntamente com as rochas, podem liberar os elementos e micronutrientes necessários para o solo. 

Sem pressa       

Cada solo tem seu tempo. Isso significa que o resultado da remineralização não será visto da noite para o dia. Paolinelli lembra que a água na medida certa também é de grande importância. E o produtor tem que tomar cuidado com o tipo de rocha que vai aplicar no solo. Por iss, a rocha que será usado também deve ser avaliado. ¨Tem que ter metal pesado para sei solo¨.

Para Eder Martins, a remineralização pode apenas manter a produção ou aumenta-la. Em pesquisas com cana-de-açúcar, foi constatado incremento entre 5% e 30 % na produção. Outro ponto positivo está na redução do uso de fertilizantes ( que pode chegar a 50% ), com economia no custo de produção.

O professor do curso técnico do SENAR Minas Kelsen Nether acredita nos bons resultados da remineralização. Ele acompanha na região de Pompeu. ¨Usaram adubo químico em metade da lavoura  e na outra metade o pó de rocha com microrganismos ( bactérias, fungos e bacilos feitos na biofábrica montada na própria fazenda ). As áreas tiveram o mesmo resultado, mas a que passou pela remineralização teve custo cerca de 30% menor¨, explica. ¨A sílica também deu mais resistência para as plantas. ¨Mas ele adverte que a remineralizador não pode ser pó de qualquer rocha: ¨as características físico-químicas devem ser analisadas para ver se é viável, sem riscos¨.

Aplicação            

A forma de aplicação é a lanço e em área total, sem incorporação.  As taxas de aplicação variam de 1 a 8 toneladas por hectare, dependendo da características do remineralizador, do solo e do sistema de produção.

Preço   

Os custos FOB ( saindo da mineração ) dos remineralizadores variam de R$ 50 a R$ 250 por tonelada. O valor para o agricultor depende da logística. Se for transportado por caminhões, esse custo pode aumentar de R$ 100 a R$ 200, em uma distância de até 300 km de distância. Fonte: Senar/MG e Embrapa.

Post Anterior

Consumo de peixe no país está abaixo de média

Próximo Post

Eventos pré-carnavalescos deverão ser comunicados com antecedência à prefeitura de Palmas