0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 03/07/2019 15:56

A Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), promove nesta quinta-feira, 4, uma reunião, no município de Formoso do Araguaia onde serão traçadas as estratégias e metas para a realização da campanha de vacinação contra febre aftosa do rebanho que está na Ilha do Bananal, que acontecerá de 1º de agosto e 30 de setembro.

A Agulha Oficial (termo utilizado quando a vacinação é feita pelo serviço oficial) deverá acontecer em mais de 350 retiros de indígenas e produtores rurais, com previsão de vacinar cerca de 100 mil bovinos, independente de faixa etária. E assim, como já aconteceu na etapa de maio, a dose da vacinação será de 2ml para cada animal.

De acordo com o responsável técnico pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, João Eduardo Pires, algumas ações estão sendo trabalhadas, porém, a reunião desta quinta-feira, se dará com as equipes que vão atuar na vacinação do rebanho na Ilha e ali serão traçadas com base nas informações dos técnicos as estratégias de atuação na Ilha para cumprir a vacinação dentro do prazo previsto. 

Na Ilha, os animais ficam soltos, e por isso, a Adapec realiza um agendamento prévio para que os proprietários prendam os animais. “A vacinação do rebanho de bovinos na Ilha do Bananal é um trabalho que exige uma dedicação muito grande por parte dos nossos técnicos que atuam no campo, no suporte e da gestão, por isso ela tem que ser bem planejada”, destacou o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha.

Este ano, a vacinação do rebanho da Ilha do Bananal contará com a parceria da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) que enviará técnicos para ajudar no processo de vacinação dos animais, bem como do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea) que já vem contribuindo há alguns anos com a campanha na Ilha.

Ilha do Bananal

A Ilha do bananal tem cerca de dois milhões de hectares e faz divisa com oito municípios tocantinenses: Formoso do Araguaia, Sandolândia, Lagoa da Confusão, Araguaçu, Cristalândia, Dueré, Caseara e Pium. Devido às suas características de relevo e terreno, no período chuvoso, se torna quase intransitável, pois a região fica alagada. Diante disso, a vacinação só ocorre na época da seca e uma vez por ano, para todos os bovinos, indiferente da faixa etária.

Post Anterior

Campanha quer conscientizar caminhoneiros sobre riscos do transporte de cargas contrabandeadas

Próximo Post

Congresso promulga emenda que permite acúmulo de cargo por militares