0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 04/06/2020 15:57

A programação do Festival de Circo de Taquaruçu (FCT) deste ano, que acontece entre 1 e 5 de julho, será on-line. 

“Está sendo um grande desafio encontrar alternativas para seguirmos celebrarmos a arte, a cultura e, ao mesmo tempo, preservar nossa saúde e contribuirmos, através do isolamento social, para a redução dos impactos da pandemia”, destacou Marcela Pultrini, diretora de produção.

Este ano a organização está selecionando números criados durante o isolamento social e enviados por vídeo e cada uma destas varietés será constituída como uma obra multimídia que irá estrear com um streaming de vídeo para o canal do festival no Youtube. 

O festival está selecionando números circenses através de uma Chamada Criativa com inscrições online que vão até o dia 5 de junho.

Segundo o diretor artístico do FCT, Kadu Oliviê, a programação contará ainda com outra experimentação, denominada Circonectados. Trata-se também de um espetáculo de variedades circenses mas que, diferente das noite temáticas, as performances serão realizadas ao vivo tendo como plataforma a rede social Instagram.

Festival de Circo de Taquaruçu. Foto: Divulgação.

“Diferente de uma live como costumamos assistir, nessa varieté o público terá o perfil do Festival apenas como ponto de partida, e a apresentação dos números seguirão nos próprios perfis dos artistas selecionados. É uma maneira divertida de assistir aos espetáculos e ao mesmo tempo valorizar o perfil e a audiência de cada profissional que se apresentará”, destacou Oliviê.

Uma das novidades deste ano será a realização de 2 espetáculos realizados ao vivo em uma plataforma fechada, com venda de ingressos online. “Estamos aproveitando as inovações tecnológicas do mercado de eventos online e provocando as companhias e grupos circenses brasileiros para se reinventarem também e proporem obras originais ou adaptadas para serem realizadas ao vivo e de maneira remota”, comentou Aluísio Cavalcante, coordenador de comunicação e multimídia do Festival.

Na sua edição online também está mantida a programação formativa com oficinas circenses avançadas e para iniciantes, além de oficinas multiculturais, que abordarão temas alinhados com a Agenda 2030 e os Objetivos para Desenvolvimento Sustentável. As oficinas serão realizadas simultaneamente em várias plataformas.

Além da bilheteria de dois espetáculos fechados e do chapéu virtual (contribuição voluntária do público através de depósitos e transferências bancárias), a produção do evento está em busca de empresas interessadas em expor suas marcas durante as transmissões da programação. “O Festival é um dos produtos culturais tocantinense com maior projeção e relevância nacional, e esperamos este ano impactar um público de aproximadamente 10 mil pessoas diretamente. Ou seja, uma excelente plataforma de divulgação para várias marcas do nosso estado”, completou a diretora.

Post Anterior

Maia defende decisão conjunta sobre prorrogação de auxílio emergencial e pede posição do governo

Próximo Post

Seduc apresenta cronograma de retomada do ano letivo na rede estadual